Perguntas frequentes


Nesses meses de aula, recebi algumas peguntas em comum e decidi fazer essa sessão de explicação sobre o que é uma aula de Yin Yoga.

Primeira coisa que sempre escuto é “sou iniciante, posso fazer a prática?” e eu costumo responder dizendo que todos somos iniciantes. Penso assim porque, por mais que a gente faça a mesma postura todos os dias, pelo mesmo tempo, no mesmo lugar, tudo igual, a nossa resposta, a resposta do nosso corpo e da nossa mente, vai ser diferente. Então, nesse sentido, somos todos e sempre seremos iniciantes.

A segunda pergunta que mais me fazem é “não tenho flexibilidade, posso fazer a prática?“. Não sei se vai ser um tiro no pé, mas eu mesma não tenho. Mas é o corpo que a gente tem, é o corpo que a gente pode ter. Então, tudo bem não ter flexibilidade. A postura vai se adaptar ao teu corpo, take it easy.

A terceira que mais escuto é “já que essa prática é tão meditativa, eu que não paro de pensar, posso fazer a prática?“. Eu sempre respondo “ainda bem que você não para de pensar. Você é saudável.” Existe uma crença de que meditar é parar de pensar. Creio que nem em coma a gente pare de pensar. Essa prática vai ensinar que a gente não precisa ser capturado pelo pensamento ou emoção. A prática oferece pra gente uma opção, uma liberdade de seguir ou não o nosso conteúdo mental.

A quarta pergunta que mais é feita é em relação a idade, “Tenho a idade y, posso fazer a prática?. Para crianças menores de 10 anos, talvez não seja uma prática muito atrativa, mas, depende de cada indivíduo. Podemos tentar. Fora isso, quanto à idade, não há restrição.

A quinta e última pergunta mais frequente é “o que eu preciso para fazer a prática de Yin Yoga?“. São itens imprescindíveis: vontade, roupa confortável (nada de jeans) e uma toalhinha ou matt (nome de batismo do que chamamos de tapetinho).

Como toda atividade física, nós temos que tomar alguns cuidados em algumas situações específicas.
Por exemplos, gestantes dentro do primeiro trimestre não podem fazer aula. Esse é um período que a futura mamãe tem que ter bastante cuidado. Depois do primeiro trimestre, eu, particularmente, solicito liberação médica por escrito só para garantir o cuidado com a mamãe e com o bebê.

Outro momento que tomamos cuidado é quando temos alguma lesão em recuperação ou recente. Nesses casos, também solicito uma liberação médica por escrito.

Essas medidas são para proteger o praticante e, num certo nível legal, a mim também.

Então, respondidas todas as questões, tomados todos os cuidados necessários, vamos praticar?